O presidente da Renault suportará as pressões após o escândalo de espionagem?

Em qualquer grande corporação, a palavra final sobre os rumos da empresa é do presidente. Caso a decisão seja equivocada, imediatamente ele será questionado, podendo até ter sua permanência no cargo ameaçada. É o que acontece agora com o brasileiro Carlos Ghosn, presidente da montadora franco-japonesa Renault-Nissan. O falso escândalo de espionagem ocorrido em janeiro, que levou à demissão errônea de três altos executivos da empresa, arranhou a imagem de Ghosn. A derrapada levantou especulações sobre sua permanência no comando das empresas.

Carlos Ghosn, presidente da Renault

O brasileiro Carlos Ghosn, presidente da fabricante de automóveis, foi acusado de fraude

No cargo desde 2005, Ghosn transformou o grupo Renault-Nissan na terceira maior montadora do mundo, atrás da Toyota e da General Motors. Além de trazer competitividade ao grupo, o executivo é constantemente elogiado por conseguir levar duas operações em continentes diferentes e, ainda assim, mantê-las com autonomia, apesar da aliança.

Apesar das pressões populares na França para investigar o caso do suposto vazamento de informações sobre o carro elétrico da montadora para concorrentes – sobretudo chineses –, os bons resultados de Ghosn frente à empresa contam a seu favor.

O que fez do brasileiro um respeitado executivo foi sua habilidade de costurar a aliança entre a Renault e a Nissan em 1999, quando a montadora japonesa beirava a falência. No Japão, Ghosn é visto hoje como um herói por ter salvado um dos símbolos da indústria do país.

Recentemente, o executivo visitou a planta da montadora localizada a 48 quilômentros de Fukushima, onde ocorreu o acidente nuclear, pedindo aos trabalhadores que tivessem força para enfrentar a situação e retomar a produção, prevista ainda para abril. O plano é atingir a capacidade total, no máximo, no início de junho.

Porém na França, onde eclodiu o escândalo, Ghosn ainda precisará reconquistar a confiança de alguns setores. A população pede uma investigação mais rigorosa. O governo, por exemplo, já sinalizou que defende Ghosn. O governo francês, que detém 15% da montadora, ficou desconcertado, mas evitou tomar decisões no calor do momento.

“Como ministro da Indústria (da França), ouvi a voz do povo pedindo por punição, mas a maior preocupação do ministro da Indústria neste momento é não desestabilizar a Renault ainda mais,” afirmou Eric Besson em entrevista à rádio RFI.

Bode expiatório – O chefe de operações da empresa e braço-direito de Ghosn, Patrick Pelata, renunciou ao cargo na segunda-feira (11/4) e arcou com a maior parte da responsabilidade pelos erros cometidos durante a investigação do caso. O executivo, no entanto, continuará na montadora, trabalhando na aliança que coordena as operações da Renault com a Nissan.

Apesar das atitudes tomadas pela montadora, a relação entre França e China ficou estremecida. Pequim repreendeu o governo francês pela forma como o país tratou o assunto, dizendo esperar que os fatos fossem averiguados, antes de uma nação ser acusada injustamente.

Via Portal Exame

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s