Jovem de 18 anos cria startup de US$ 5 milhões

Um jovem brilhante decide criar um buscador que pode chacoalhar o mundo da tecnologia. Desenvolve os códigos, atrai investidores, conquista a atenção da mídia.

Daniel Gross, fundador do Greplin

Não, não estamos falando de Sergey Brin ou Larry Page, fundadores do Google. Aliás, o jovem Daniel Gross não gosta da comparação – “é como comparar maçãs e laranjas”, diz.

Para início de conversa, Daniel não tem a pretensão de “organizar toda a informação do mundo”, como Brin e Page. O Greplin, sistema de buscas pessoais que criou, tem uma missão um pouco menos ambiciosa: organizar toda a sua vida digital

Na prática, o buscador indexa informações de todos os seus repositórios de informações pessoais, como Gmail, Twitter e Facebook, e as torna buscáveis a partir de uma única interface. Ou seja, é como um Google que vasculha apenas o seu universo pessoal.

Parece muito simples, e é – como muitas das ideias que acabam por transformar as nossas vidas –, mas é algo em que ninguém havia pensado ou feito ainda, nem mesmo o próprio Google.

E foi com essa premissa que, com apenas 18 anos de idade e sem nunca ter posto o pé na universidade (outro elemento que o diferencia dos acadêmicos Brin e Page), Daniel conseguiu levantar quase 5 milhões de dólares para investir no seu negócio em poucos meses.

Sua curta e bem-sucedida jornada como empreendedor começou cerca de um ano atrás, quando decidiu trocar o serviço militar pelo Vale do Silício.

Daniel passou a maior parte da sua vida em Israel e, tendo saído do colégio, teria que servir ao exército antes de começar os estudos universitários. Optou por um caminho alternativo. Fez as malas e partiu para São Francisco, onde fez uma entrevista para participar do Y Combinator, programa de três meses que apóia startups com capital semente, consultorias e networking.

A ideia em que trabalhava na época não fez sucesso junto à banca avaliadora, mas Paul Graham, idealizador do programa, viu potencial no jovem e convidou-o a ficar desde que concordasse em desenvolver um novo projeto.

Daniel aceitou o desafio e começou a trabalhar em novas ideias. Mas foi a apenas 48 horas do fim do programa que o Greplin surgiu. Faltavam apenas dois dias para o Demo Day, dia em que todos os participantes do Y Cobinator tem que apresentar a versão final do projeto em que trabalhavam e Daniel ainda não tinha uma.

Entre todos os produtos nos quais vinha trabalhando, foi encorajado por seu mentor a escolher não aquele que parecia mais promissor ou ousado, mas sim aquele que usaria no dia-a-dia. Com isso em mente, optou pela ideia do buscador pessoal. “Às vezes você quer procurar uma informação que você tem certeza que tem guardada em algum lugar, como o endereço de uma festa para a qual foi convidado, por exemplo, mas não sabe exatamente onde está. Foi pensando nisso que criei o Greplin”, conta.

Daniel levou um protótipo do buscador à apresentação final do programa e, finalmente, emplacou um sucesso. Incentivado pelos feedbacks positivos, começou a procurar investidores anjos para bancar o projeto ao mesmo tempo em que trabalhava para aperfeiçoar o produto tecnicamente.

Em apenas dois meses, conseguiu levantar cerca de 500 mil dólares em e ganhou um sócio: Robby Walker, apresentado a ele por um dos mentores do Y Combinator. “Precisava de alguém com mais experiência em engenharia ao meu lado”, justifica.

Assim como Daniel, Robby tem toda a pinta de garoto prodígio: entrou na faculdade aos 9 anos de idade e aos 20 já era PhD.

Divulgação

Robby Hires

Robby Walker, sócio do Greplin

Sua primeira startup, criada durante sua passagem pelo Y Combinator em 2007, foi vendida a ninguém menos que o próprio gigante das buscas – sim, o Google – e tornou-se a base do que é hoje a sua ferramenta de apresentações online.

Em pouco tempo, a promissora dupla passou a ser assediada por investidores interessados em injetar ainda mais capital no negócio. Em fevereiro deste ano, apenas cinco meses após ter sido lançado, o Greplin recebeu um investimento de 4 milhões de dólares da Sequoia Capital, um dos fundos de capital de risco mais prestigiados do Vale do Silício.

O plano de Daniel para gastar o dinheiro não envolve festas, carros ou mulheres – algo que seria muito natural na sua idade –, mas sim engenheiros. “Vamos investir principalmente em trazer os melhores profissionais para o nosso time e em garantir as condições técnicas para o funcionamento do serviço, que exige uma infra-estrutura confiável”, antecipa Daniel.

Aprimorar a ferramenta, com futuras versões que possam rodar em celulares e que não dependam de conectividade para funcionar, por exemplo, é a prioridade agora.

Ir à faculdade não é algo que está nos planos de Daniel (hoje com 19 anos), pelo menos não no futuro próximo. “Todas as minhas energias estão concentradas em fazer o negócio dar certo”, assegura.

 

Via Portal Exame

Daniel Gross, fundador do Greplin

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s